sexta-feira, 31 de março de 2017

MAIS DE 150 APRESENTAÇÕES CULTURAIS ANIMAM FÉRIAS DE PÁSCOA NO ALGARVE



O Algarve não vai parar em abril, ou não se aproximasse um período em que o destino regista forte procura por turistas nacionais e estrangeiros. Esta é a promessa do programa cultural «365 Algarve», que para o mês que agora se inicia agendou 35 eventos e mais de 150 apresentações, a acontecer um pouco por toda a região. Música, ópera, dança, teatro, cinema, literatura, artes visuais, artes performativas, animação de património e gastronomia preenchem os dias de primavera no principal destino de férias do país.

«A menina dança?» Se a expressão lhe é familiar, então saiba que as apresentações musicais do «365 Algarve» têm um início auspicioso em abril, com uma Ballroom Gala pela Orquestra de Jazz do Algarve, dia 01, às 21h30, em Ferragudo, Lagoa. Um espetáculo que é um baile formal, em que se dança ou se ouve apenas música – temas das grandes orquestras do séc. XX, muito familiares e conhecidos do grande público.


«Tavira – Património e Artes» é um evento de fusão entre o património religioso, arquitetónico e pictórico das igrejas de Tavira com o património musical das várias épocas em que aqueles templos foram erguidos. Da ermida de São Sebastião (dia 01), obra de arte total do barroco, à igreja da Misericórdia (08 e 22), cujo portal é obra-prima do Renascimento algarvio, ou à igreja do Carmo (Domingo de Páscoa), morada do mais interessante retábulo rococó do Algarve, variados concertos abrem à fruição dos visitantes alguns dos mais emblemáticos monumentos da região.

Um salto gigante leva-nos aos primeiros dois de sete concertos do Festival Internacional de Música do Algarve (FIMA) agendados para abril: «Beethoven», apresentado pela Orquestra Clássica do Sul com o maestro e solista no piano Jean-Bernard Pommier, dia 06, às 21h00, no Grande Auditório da Universidade do Algarve em Gambelas, em Faro; e «Modernismo Francês: Debussy & Poulenc», com o pianista Constantin Sandu e um quinteto de sopros da mesma orquestra, dia 08, às 21h00, no Centro Cultural de Lagos. «Concertos Brandeburgueses» (dia 21), «Música Sacra de Mozart» (23), os concertos «Grandes Quartetos I e II» (27 e 28) e «Serenatas e Sinfonias de Câmara» (30) encerram o mais antigo festival algarvio de música erudita, cuja programação completa está disponível em www.fima.com.pt.

No dia 07, O Gajo chega ao Hostel 1878, em Faro, com a sua viola campaniça para um Concerto ao Entardecer que convida a descobrir artistas e bandas emergentes do panorama nacional. O Gajo é um viajante e a música o seu meio de transporte. Neste fim de tarde a viagem passa pela música popular, o fado, o folk e o rock: O Gajo toca músicas do mundo! No mesmo dia, nova apresentação de Morphosis, projeto de Hugo Alves e João Frade que sobe ao palco do Teatro Mascarenhas Gregório, em Silves, para dar asas à improvisação sobre temas originais escritos a pensar nas potencialidades de dois icónicos instrumentos: o trompete e o acordeão.

A encerrar o 1.º Festival Internacional de Piano do Algarve, um recital de piano a quatro mãos, coisa rara no mundo dos concertos eruditos, com a austríaca Ranko Markovic e a indiana Marialena Fernandes. É no sábado, dia 08, às 21h30, no TEMPO – Teatro Municipal de Portimão. Ainda nesse fim de semana, o Ciclo «Guitarras e Património» apresenta concertos de guitarra clássica de Verónika Kristófcsák (dia 08, em Lagoa) e de Paulo Galvão (dia 09, em Vila do Bispo).

Finalmente, dia 22, às 21h30, o Grupo Coral Ossónoba apresenta Cantata Mundi, composição elaborada a partir de músicas de Rodrigo Leão que explora um universo sonoro de inspiração espiritual através da orquestração para o barítono solista Rui Baeta, órgão, quinteto de cordas, percussão, coro misto e infantil. Um colorido de sons e sentimentos que junta em palco mais de 60 intérpretes na igreja matriz de Portimão.

Dido e Eneias, emblemática criação de Henry Purcell e uma das mais belas óperas do período barroco, chega ao auditório de Vale do Lobo no dia 30, às 18h00, para contar-nos a história de amores trágicos entre a rainha viúva de Cartago, Dido (Joana Godinho), e um príncipe que escapou à destruição de Tróia, Aeneas (Jan van Elsacker)… E mais não queremos contar, a não ser que é uma produção da Academia de Música de Lagos, interpretada pela Algarve Camerata, contando com vários solistas de renome nacional e internacional.

No Dia Mundial da Dança (29), haverá Interferências, performances que resultam de oficinas de pesquisa e criação coreográfica com a comunidade portuguesa e estrangeira apresentadas na Biblioteca Municipal Álvaro de Campos, em Tavira.

No primeiro dia de abril acontece a despedida do Festival Internacional de Teatro de Vila Real de Santo António. Mais tarde, Vila do Bispo (de 07 a 09), Faro (22 a 24) e Loulé (29 de abril a 01 de maio) acolhem a Carripana, teatro de rua com os seus palcos improváveis. Por fim, uma referência à apresentação de Paiaçu ou Pai Grande, os Sermões do Padre António Vieira pelo ator João Grosso, na igreja de São Paulo, em Tavira, no dia 09.

O ciclo Video Lucem continua a fazer luz sobre os clássicos do cinema mundial exibidos nas igrejas algarvias: «Dos Homens e dos Deuses» («Of Gods and Men»), de Xavier Beauvois, dia 06, às 21h30, na matriz de Cabanas de Tavira; «Acto de Primavera» («Rite of Spring»), de Manoel de Oliveira, dia 07, às 21h30, na Misericórdia de Faro; e «Simão do Deserto» («Simon of the Desert»), de Luís Buñuel, dia 22, às 16h30, na capela de Nossa Senhora da Graça, na Fortaleza de Sagres, em Vila do Bispo.

De 21 a 23 de abril chega a Faro a Primavera Literária com passeios dedicados à descoberta da obra do poeta algarvio António Ramos Rosa. Passeios literários recheados de surpresas, de leituras… e de sabores da terra!

As artes visuais e performativas convidam a um tour pela região. Para começar, há quatro sugestões de visita em abril. A MALA – Mostra de Artistas de Lagos é uma exposição coletiva dos mais recentes trabalhos de artistas locais que inaugura dia 25 no Centro Cultural de Lagos. Retratos na Ria é a exposição fotográfica de Jorge Jubilot ancorada nos cais das praias e ilhas do Sotavento até dia 30. Já Viagem ao Interior expõe fotografias do outro Algarve de 02 a 29 abril na Galeria Municipal de São Brás de Alportel e de 06 abril a 10 maio no Espaço +, em Aljezur. E até dia 28 de maio ainda se pode apreciar no Museu Municipal de Faro a exposição José Pedro Croft: De um lado ao outro – Esculturas, Desenhos e Gravuras na Coleção de Serralves, o artista convidado este ano da Bienal de Veneza, a decorrer em maio.

Evento original é certamente MEDrONHO – Teatro nas catedrais do medronho, espetáculo itinerante que se passa nas destilarias da serra de Monchique no fim de semana de 01 e 02 de abril. Um convite à descoberta dos rituais alquímicos da destilação do medronho, das suas histórias e de deliciosos petiscos. RASTiLHO / Espectáculo de teatro físico e música para caminhar por terras de Aljezur não fica atrás na originalidade. Um espetáculo itinerante para caminhar por trilhos e paisagens de Aljezur de 14 a16 de abril e deixar-se levar pelo vento e pelo que a terra conta. Informações em www.lavraromar.pt.

O festival Encontros do DeVir – cidades utópicas, cidades possíveis, cidades internacionais (www.encontrosdodevir.com) abre no primeiro dia do mês no CAPa – Centro de Artes Performativas do Algarve, em Faro, e gira por São Brás de Alportel (dia 08), Loulé (15), novamente Faro (21) e Quarteira (29), com criadores portugueses de renome internacional, como Vera Mantero, Francisco Camacho, entre outros.

Durante o mês de abril, o programa «365 Algarve» oferece ainda um conjunto alargado de propostas culturais desafiantes para quem reside ou visita o Algarve, ou não se aproximassem as férias da Páscoa e, com elas, a oportunidade para fazer uma pausa na rotina diária e rumar a Sul. Foi o que já fizeram, até meados de março, mais de 36 mil espetadores (45% dos quais de nacionalidade estrangeira).

Apresentações diversas que convidam à descoberta do património histórico em pequenas visitas guiadas e encenadas, momentos musicais ou performances teatrais. Gastronomia e vinhos do Algarve fundem-se com a música ou com as artes visuais e ainda há propostas fora da caixa, como Alquimia – Itinerâncias culturais com programas distintos sob o mote dos quatro elementos: Terra, Água, Ar, Fogo (http://alquimiacultura.pt).

A programação completa pode ser consultada na página do «365 Algarve» no Facebook e o programa está disponível para download no sítio da Região de Turismo do Algarve na Internet.

---

«365 Algarve» é um programa cultural que complementa a oferta tradicional deste destino turístico com mais de mil apresentações de música, dança, teatro, exposições, animação de património, entre outras. A primeira edição decorre de outubro de 2016 a maio de 2017 e os eventos que vão ter lugar em todo o território algarvio convidam a uma visita à região. Porque todos os dias contam!